Skip to main content
Serras para pedal

Serras e montanhas de tirar o fôlego

Serras e montanhas são uma preferência quase unânime entre os ciclistas. Se não para encarar o desafio de bicicleta, ao menos, para curtir o visual caprichosamente desenhado pela natureza – com uma mãozinha humana para a construção dos caminhos. Conheça estradas incríveis em montanhas e serras de tirar o fôlego! Qual delas você encararia?

 

Brasil – Serra do Rio do Rastro

Entre Lauro Müller e Bom Jardim da Serra – Santa Catarina
12 km
1.220 m de ganho altimétrico (Sai de 220 m e vai até 1.420 m de altitude)
284 curvas
© Jonatha Junge

Na década de 1980, um desafio à engenharia de Santa Catarina foi lançado: pavimentar uma antiga picada de tropeiros que cortava um grande cânion e torná-la melhor transitável para carros, ônibus e caminhões. Para garantir aderência aos pneus em caso de gelo, a pista teria que ser construída em concreto de cimento, não em asfalto. Sobre o leito de chão batido, foram colocadas 2.160 placas de concreto de 6 m x 3 m, com 30 cm de espessura e fissuras iguais às de pistas de aeroportos. A construção durou dois anos, de novembro de 1984 a novembro de 1986.

América – Caminho dos Yungas, a Estrada da Morte

Entre La Paz e Coroico – Bolívia
64 km
3.600 m de altitude (Sai de 1.000 m até 4.600 m)
Centenas de curvas

Em 1995, o Banco Interamericano de Desenvolvimento considerou o Caminho dos Yungas como a estrada mais perigosa do mundo. Com uma média de 209 acidentes e 96 mortes ao ano, a estrada tem cachoeiras que deságuam no percurso, pista estreita, de três metros em alguns trechos, rotineiramente neblina, e apenas 20 km asfaltados, o restante de terra e cascalho, tudo isto à beira de um precipício sem guard-rail. Boa parte da Estrada da Morte, como ficou conhecido o caminho, foi construída por prisioneiros paraguaios durante a Guerra do Chaco, na década de 1930. Os carros circulam em mão invertida, para que quem sobe tenha melhor visualização. Em 2007, o governo boliviano inaugurou um caminho alternativo.

Ásia – Estrada de Tian Men Shan

Província de Hunan, China
10 km
1.100 m de ganho altimétrico (Sai de 200 m e vai até 1.300 m)
99 curvas fechadas

Na província de Hunan, na China, está uma das estradas mais sinuosas do mundo, conhecida também como Tongtian Avenue, ou Avenida para o Céu. A Estrada de Tian Men Shan leva às escadas de Tian Men Mountain, com 999 degraus. A montanha tem um enorme buraco no meio e o único modo de chegar até lá é através da escadaria… Ou através do maior teleférico do mundo, com 7.455 metros!

Europa – Passo dello Stelvio

Itália
24,3 km (desde Prato)
1.808 m de ganho altimétrico (Sai de 950 m e vai até 2.758 m)
75 curvas em todo o passo

Uma das estradas mais altas a cruzar os Alpes Italianos, perto da fronteira com a Suíça, o Passo dello Stelvio foi construído entre 1820 e 1825. Esta é uma das principais montanhas do Giro d’Italia. A estrada só fica aberta durante o verão, e dependendo da época, paredes de gelo se acumulam em suas laterais. No Giro d’Italia 2014, etapa 16, houve uma confusão na descida do Passo dello Stelvio, pois algumas equipes entenderam que o trecho seria neutralizado em virtude das condições perigosas da pista com neve. Nairo Quintana manteve o ritmo forte, assumiu a liderança e venceu a competição.

África – Garganta do Dades

Marrocos
30 km (Desde Boumalne Dades)

O Vale (ou Garganta) do Dades situa-se no Alto Atlas, nas maiores altitudes do norte da África. A rodovia que leva até o vale é conhecida como a Estrada de Mil Kasbahs, com muitas curvas fechadas, acompanhando o Rio Dades e serpenteando aldeias e paisagens desérticas a cerca de 2.000 m de altitude. Kasbahs são construções rústicas feitas com barro, varas e troncos, parecidas com castelos e que, surpreendentemente, resistem ao tempo e sobrevivem por milhares de anos. Essas fortalezas eram construídas em lugares estratégicos do deserto, nas rotas comerciais que as caravanas percorriam.

Oceania – Skippers Road

Nova Zelândia
22 km

Skippers Road fica ao lado de Skippers Canyon, que tem uma queda vertical para o Rio Shotover, já conhecido como “o rio mais rico do mundo”. As locadoras de carro não permitem que seus veículos transitem nessa via estreita e sem acostamento, à beira de precipícios de mais de 180 metros. A via foi construída durante a corrida do ouro, quando uma trilha precária era o único acesso para a cidade de Skippers e os garimpos de Upper Shotover. Construída entre 1883 e 1890, a Skippers Road foi considerada uma grande obra de engenharia na época. Um trecho de 3 km da via envolveu perfuração manual e explosão de rochas para criar uma plataforma que fica 183 metros acima do Rio Shotover. Essa tarefa desafiadora exigiu operários para suspender cordas acima do rio. A estrada tem vista das Richardson Mountains a oeste e das Harris Mountains a leste.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *