Browsing Category

Lifestyle

bike, ciclismo, Informações, Lifestyle, mtb, obesidade, peso,

Ciclismo no combate à obesidade

A obesidade vem crescendo de forma rápida em todo o mundo, sendo considerado por alguns como a nova epidemia mundial. Uma alimentação baseada em alimentos industrializados e um estilo de vida sedentário são as maiores causas desse problema. 


Para fugir da obesidade é importante combinar uma alimentação saudável com a prática de atividades físicas, com destaque para o ciclismo por sua facilidade e acessibilidade.
O aumento do poder aquisitivo deixa muitos brasileiros mais perto da obesidade. Isso ocorre devido ao maior acesso a alimentos muito calóricos e pouco nutritivos, além do aumento da compra dos veículos automotores que diminui as já tão curtas caminhadas diárias para cumprir compromissos rotineiros. Não é raro ver pessoas jovens que já sentem o peso desse estilo de vida e tentam buscar mais momentos de lazer e bem-estar e acabam se apaixonando pelo ciclismo.

Ciclismo no combate à obesidade

A obesidade surge quando o consumo de calorias é maior do que a sua queima, ou seja, alimentação rica em calorias misturada com sedentarismo. Hipertensão, problemas cardiovasculares e diabetes são apenas alguns dos riscos do sobrepeso. Além do número na balança é importante observar como o peso está distribuído pelo corpo, visto que o acúmulo de gordura do abdômen é um grande sinal de risco de doenças associadas à obesidade.
Seja para tratar ou para prevenir a obesidade, é preciso se alimentar de forma saudável e incluir a prática de atividade física na rotina. O ciclismo é um grande aliado nesse momento. Pedalar é uma atividade indicada para pessoas de todas as idades e é indicado no combate à obesidade, pois atua no metabolismo 

aeróbico, quando a gordura é utilizada como fonte de energia após um certo tempo de exercício.
Além disso, pedalar é uma ótima forma de ter mais contato com a natureza, pegar sol e fazer novas amizades. A prática apresenta baixo impacto nas articulações, protegendo joelhos e coluna. Basta observar a postura, escolher uma bike adequada para sua altura e peso e um tênis de qualidade que a atividade física será segura e benéfica. Para maior segurança, procure ajuda de profissionais qualificados e mantenha os seus exames de saúde sempre em dia.
Procure incluir o ciclismo na sua rotina pelo menos três vezes por semana. Para criar o hábito de pedalar, defina metas que você com certeza pode alcançar e, com o tempo, aumente seus desafios de acordo com a evolução do seu organismo. Defina dias e horários que não vão colidir com outros compromissos, dessa forma, você evita deixar o ciclismo para depois. É melhor começar com meia hora por dia e manter a frequência do que se propor a pedalar durante duas horas, mas só conseguir fazer isso uma vez por mês.

O que esperar do ciclismo

  • Redução dos triglicerídeos, ou seja, menores chances de desenvolver problemas cardiovasculares
  • Melhora no equilíbrio e no condicionamento físico
  • Redução do peso corporal
  • Mais qualidade de sono
  • Redução da pressão arterial
  • Mais qualidade de vida e aumento da autoestima
adolescene, bike, ciclismo, criança, Informações, Lifestyle, obesidade, Sem categoria,

Como a bicicleta pode tirar crianças do sedentarismo

A falta de exercícios físicos pode ser muito prejudicial à saúde em qualquer idade, até mesmo para crianças que já são naturalmente mais ativas. No entanto, vale destacar que atividade física é diferente de exercício físico. O primeiro termo se refere a qualquer movimento feito pelo corpo humano que gaste energia, como tarefas simples do dia a dia, por exemplo: subir escadas, andar até a escola e brincar durante o recreio.

Para sair do sedentarismo é necessário praticar exercícios físicos com frequência, ou seja, andar de bicicleta ou jogar futebol, por exemplo. O sedentarismo aumenta os riscos de colesterol alto, diabetes, obesidade, asma, distúrbios psicológicos e outros problemas de saúde. Dessa forma, é importante que os pequenos criem o hábito de praticar exercícios físicos com frequência.

Dentre as opções de exercícios físicos para crianças, o que mais se destaca é o ciclismo. Isso ocorre pela facilidade e pelas vantagens do esporte. Afinal, andar de bicicleta é uma ótima maneira de reunir toda a família de uma forma simples e prática. Basta procurar por um espaço aberto e seguro como um parque e deixar o pequeno se divertir até cansar. Além disso, a criança já aproveita para pegar sol, fazer novas amizades, ter mais equilíbrio, força e resistência física.

Dicas para incentivar o ciclismo infantil

  1. Leve o seu filho no momento da compra. Deixe-o escolher um modelo que gostar mais. Dessa forma, ele se sentirá mais animado para estrear logo e começar a pedalar por aí.
  2. Dê o exemplo. Leve toda a família para pedalar. Crianças se inspiram nos adultos e se sentem mais motivadas em uma nova atividade quando são acompanhadas por seus pais.
  3. Escolha um lugar bonito e seguro. Um parque onde não passam carros e a criança pode andar distâncias curtas sozinha também é um ótimo incentivo. Crianças gostam de se sentir independentes e vão adorar poder andar sozinhas, ainda que poucos metros, mas sempre supervisionadas pelos pais, é claro.
  4. Convide amigos ou primos na mesma idade. Dessa forma, o exercício físico pode ser visto como um momento de lazer e brincadeira e a criança pode gastar energia e se exercitar enquanto se diverte.
  5. Invista em acessórios divertidos. Deixe o pequeno escolher capacete e demais equipamentos de segurança na sua cor favorita ou com o desenho de seus personagens prediletos estampado. Assim, não haverá choro e o baixinho fará questão de se manter segura enquanto pedala.
  6. Crie o hábito. Sempre tenha um tempo certo na agenda da família para pedalar com a criança ou deixar o pequeno enquanto a família se reúne em um piquenique, por exemplo. Vale tirar meia hora por dia e um tempo maior aos finais de semana, como ficar melhor para toda a família.
  7. Respeite o tempo de cada filho. Alguns largam as rodinhas em poucas horas, enquanto outros precisam de alguns dias para ter mais confiança. Deixe cada um conhecer o seu próprio tempo e se aventurar de acordo com sua personalidade.
bike, ciclismo, Dicas de Pedal, idoso, Lifestyle, prevenção, terceira idade,

Dicas de ciclismo para a terceira idade

Praticar exercício físico traz benefícios em todas as idades e, para os idosos, é uma ótima forma de prevenir doenças, dores e lesões. O ciclismo traz benefícios para o corpo e para a mente, não possui restrições nem exige preparo prévio. Para começar a praticar, basta conversar com o seu médico, escolher a bike mais estilosa e procurar um bom espaço como uma praça ou parque.

Pensando nisso, separamos algumas dicas bem simples de se colocar em prática e começar a pedalar em pouco tempo, com toda segurança e confiança.

Dicas de ciclismo para a terceira idade

  • Observe a altura da bicicleta no momento da compra, para ter um equilíbrio ideal e evitar dores nas costas ou lesões musculares
  • Escolha um tênis adequado para sua altura e peso, vale pedir dicas para o seu ortopedista antes de sair às compras
  • Utilize acessórios de segurança, como capacete, joelheira e cotoveleiras
  • Escolha roupas leves e confortáveis sempre
  • Respeite os seus limites e evolua em seu próprio ritmo
  • Converse com um médico antes de começar a pedalar para avaliar melhor a intensidade e a frequência do exercício
  • Busque auxílio de um personal trainer pelo menos nos primeiros meses, até se adaptar com a sua nova rotina física
  • Crie uma rotina. Pode ser meia hora por dia ou, pelo menos três dias por semana. Dê prioridade ao sem bem-estar e cumpra com o planejado
  • Cuide sempre da alimentação e não apenas nas refeições pré e pós treino
  • Você pode optar pelo ciclismo indoor, usando uma bicicleta ergométrica
  • Procure terrenos planos e em locais tranquilos, sem passagem de carro. Espere ter prática e segurança antes de andar em ciclovias movimentadas
  • Proteja a pele usando filtro solar, boné ou chapéu, além de óculos escuros
  • A hidratação é fundamental. Leve sempre uma garrafa de água quando sair para pedalar
  • Com o aumento do gasto energético, é importante avaliar a alimentação para evitar problemas de saúde

 Benefícios do ciclismo para a terceira idade

  • É uma boa forma de sair de casa e fazer novas amizades
  • Evita a perda progressiva de massa muscular
  • Melhora a qualidade do sono
  • Ajuda na flexibilidade e no equilíbrio
  • Aumenta a massa óssea, prevenindo ou ajudando em casos de osteoporose
  • Diminui riscos de AVC
  • Evita o sedentarismo e seus riscos, como colesterol, diabetes, obesidade, etc
  • Aumenta a estabilidade postura
  • Fortalece o sistema imunológico
  • Aumenta a sensação de bem-estar e evita a fadiga
  • Protege de dificuldades psicológicas e evita depressão

Agora que você já sabe que o ciclismo traz inúmeras vantagens para a terceira idade e já sabe as melhores dicas, basta se programar e sair de vez do sedentarismo. Andar de bicicleta é, também, uma ótima forma de reunir toda a família para uma atividade diferente. Convide parentes e amigos para te acompanhar nessa nova aventura, isso te trará mais motivação para começar a pedalar e se apaixonar por essa prática.

alfajor, bike, cicloturismo, Dicas de Pedal, Julio Andó, Lifestyle, mala, montanha, pedalando, praia, trilha, viagens,

Cicloturismo – saiba o que levar


Arrumar as malas para viajar sempre gera dúvidas sobre o que é realmente necessário além de medo de esquecer algo importante. Esse cenário fica ainda mais intenso em caso de viagens feitas de bicicleta. Se você está planejando uma viagem com cicloturismo, confiras as dicas a seguir para montar uma mala leve e funcional!

Cicloturismo e o que levar

Cicloturismo é qualquer viagem feita utilizando uma bicicleta como meio de transporte. Existem locais mais conhecidos, com trilhas já testadas e aprovadas por outros ciclistas. Antes de decidir o que levar, você precisa definir bem cada detalhe da sua viagem: trajeto, hospedagem, forma de alimentação, tempo de permanência e dia do retorno. Com essas informações em mãos, você pode conferir a nossa lista e adaptar cada item de acordo com a sua viagem!

1 – Manutenção da bicicleta. É preciso estar prevenido para acidentes e imprevistos. Leve bomba de ar, chaves nos tamanhos dos apertos da bicicleta, um par de patim de freio, câmara de ar e remendo para câmara de ar. Antes de sair, faça a manutenção de todo o equipamento para garantir uma viagem segura e tranquila.
2 – Higiene pessoal. Você pode comprar itens em embalagens pequenas e próprias para viagem ou pode comprar um kit de embalagens pequenas e levar pequenas quantidades dos produtos que já utiliza normalmente em casa. Não se esqueça: sabonete, shampoo, desodorante, escova e pasta de dentes e itens para fazer a barba. Além disso, é importante levar protetor solar e repelente.
3 – Alimentação. Primeiro é preciso saber se você vai acampar e fazer a própria comida durante toda a viagem ou se vai ficar hospedado em um hotel e se alimentar em restaurantes locais. Em todo caso, é importante levar produtos que não estraguem facilmente para levar durante o trajeto. Aposte em frutas secas, barras de cereal e drágea descontaminante de água.

4 – Medicamentos. Se você toma algum remédio regularmente, garanta que terá a quantidade suficiente para todos os dias de viagem. Verifique se o local a ser visitado tem risco maior de algumas doenças que podem ser evitadas com vacinas, como a febre amarela, e atualize o seu cartão de vacinas antes de seguir viagem. Alguns medicamentos podem ajudar com imprevistos e devem fazer parte da sua lista: antialérgico, relaxante muscular, antitérmico e pomada anti-assadura. Soro fisiológico, álcool, algodão e esparadrapo também são itens fundamentais.
5 – Roupas. Leve no mínimo dois uniformes para pedalar e uma capa de chuva. Roupa confortável para dormir, chinelos e uma toalha pequena. Confira a previsão do tempo para a região visitada e leve apenas os itens indispensáveis para evitar peso extra.
6 – Itens diversos. Canivete, lanterna, óculos de sol, máquina fotográfica, binóculos, kit de primeiros socorros, mapas, livros, documentos originais e cópias, endereços importantes e contatos de emergência. Capacete e demais itens de segurança pessoal não podem faltar, principalmente se você pretende fazer trilhas. Além disso, verifique se a sua bicicleta segue as normas do Código de Trânsito Brasileiro e conta com olhos de gato nos pedais, espelho retrovisor, luzes dianteiras e traseiras e campainha.

alugada, alugar, bike, ciclovia, Informações, Julio Andó, Lifestyle,

Pensando em usar a bicicleta na sua rotina? Saiba se é melhor comprar ou alugar

O ciclismo é uma das atividades físicas com mais adeptos. Isso acontece pela facilidade e acessibilidade do esporte. São inúmeros benefícios para a saúde e até mesmo para o meio ambiente, ao diminuir o impacto de outros meios de transporte movidos pela queima de combustível. Com tudo isso em mente, muitas pessoas estão usando a bicicleta no dia a dia, para ir ao trabalho ou faculdade, para reunir amigos e até mesmo para viajar.
Se você está planejando aderir à bicicleta na sua rotina, mas ainda tem dúvidas sobre como começar, fique de olhos nas dicas a seguir e entenda se para o seu caso é melhor comprar uma bike ou alugar pela cidade quando precisar.

Bicicleta: comprar ou alugar?

O primeiro passo é analisar o seu orçamento. Como está no momento e qual a previsão para os próximos meses? Quanto você gasta com carro ou com transporte público e vai economizar com a bicicleta? Essa análise permite uma escolha consciente e evita dívidas.
Em seguida, avalie como será a utilização da bicicleta. Se for alugada, será fácil seguir da sua casa aos pontos de aluguel? Os locais que você frequenta contam com pontos de aluguel e bicicletários? Você vai usar a bicicleta por mais de uma hora com frequência?
Em cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, é possível encontrar diversos pontos que oferecem aluguel de bike de forma gratuita. Em alguns casos, é preciso pagar R$5 após uma hora de uso. Esta é uma boa opção para quem fará trajetos curtos e às vezes vai completar o percurso com transporte público.

Caso decida comprar uma bicicleta você ainda pode escolher entre uma nova ou uma usada. Comprar uma bike usada pode ser mais econômico e também mais seguro. Bicicletas modernas e novas podem ser visadas por assaltantes e você precisaria de um cuidado extra no dia a dia. Esses modelos são mais recomendados para ciclistas que participam de competições e precisam de modelos específicos.
Além da bicicleta você precisará de outros itens, principalmente se optar pela compra. Cadeados, correntes, mochilas e roupas próprias para ciclistas podem ser necessários. Você pode, ainda, precisar de equipamentos de segurança pessoal, como capacetes e joelheiras. Esses acessórios vão variar de acordo com a forma de uso e com os trajetos percorridos.
Se escolher pela compra, sempre observe bem o modelo antes de fechar negócio. Verifique a altura do banco e do guidão, e se os mesmos são ajustáveis facilmente. Avalie se você precisa de um modelo com marchas ou não, analise tamanho das rodas e o peso total da bike. Evite comprar por impulso, você pode se arrepender depois e ficar no prejuízo.
Com essas dicas em mãos, avalie se é melhor comprar ou alugar de acordo com as suas necessidades pessoais. Uma opção é passar um tempo alugando antes de fazer uma escolha final. Dessa forma, você pode avaliar de fato as vantagens e desvantagens do aluguel e observar se você realmente precisa investir em uma bike própria!

Dicas de Pedal, Informações, Lifestyle, Nutcase, Sem categoria,

Dicas para escolher o capacete ideal e pedalar em segurança

Amantes da bicicleta já sabem que o capacete é um dos itens de segurança mais importantes do ciclista. Este equipamento é o responsável por proteger a cabeça do impacto em quedas e acidentes, podendo ser o fator que separa lesões graves ou fatais de meros arranhões. Mas para que o capacete seja eficiente, é fundamental saber escolher o modelo mais adequado para cada pessoa e para cada modalidade de pedal.

Modelo: para cada objetivo, um capacete ideal

O mercado disponibiliza diversos tipos de capacete para ciclistas, que variam no design, no material, nos acessórios e no preço. Existem basicamente 3 modelos: o ventilado, o urbano e o fechado. O ventilado é o mais comum. Ele tem um formato alongado, semelhante a uma concha, e tem várias aberturas, garantindo uma melhor aerodinâmica e a ventilação da cabeça. Por isso, este modelo é bastante popular para trilhas e estradas, mas também é visto no meio urbano.

Os modelos de estrutura extremamente ventilada são ideais para o pessoal do speed, pois permitem a entrada de ar fresco pela frente do capacete e a saída de ar quente por trás, o que reduz o aquecimento da cabeça durante a atividade física. No entanto, para ter muitas entradas de ar, o capacete precisa ser feito com um material bastante resistente, caso contrário ele não seria seguro. Por isso, este modelo frequentemente é desenvolvido com materiais especiais, como a fibra de carbono, que deixam o capacete forte e ao mesmo tempo leve.

A consequência é o preço: quanto mais ventilado, leve e resistente for a peça, mas caro irá custar. Por isso, se você não é um competidor ou não tem o orçamento disponível, invista em um bom capacete ventilado – o melhor que puder pagar. Afinal, para uso urbano e nas trilhas não há necessidade de buscar os modelos mais aerodinâmicos. Já atletas amadores e profissionais devem investir nos melhores.
O segundo modelo de capacete é visto principalmente no cenário urbano. O estilo “coquinho” deriva do capacete utilizado pelos skatistas e é mais fechado na área da nuca e arredondado na parte superior. Ele protege principalmente contra quedas verticais, e além do uso urbano também é utilizado pelo pessoal do street. Apesar de menos ventilados, são estilosos.
Por fim, o fechado é aquele que lembra um capacete de moto. Ele é maior e mais pesado, cobre toda a cabeça, tem reforço no queixo e viseira frontal. Por suas características, é ideal para atividades mais radicais que envolvem velocidade e riscos, como o downhill, o freestyle e o BMX.

Tamanho e outros acessórios

Geralmente, os capacetes são classificados em cinco tamanhos ou em três tamanhos conforme o fabricante. Na tabela mais segmentada o “XS”, com medida que varia de 53 a 54 centímetros de diâmetro, o “S” com 55 a 56 centímetros de diâmetro, o “M” com 57 a 58 centímetros de diâmetro, o “G” com 59 a 60 centímetros e o “XL” que tem em torno de 61 a 62 centímetros de diâmetro. Na hora de escolher o seu tamanho, deve-se medir a circunferência da cabeça com uma fita métrica na altura das sobrancelhas e escolher a opção mais adequada e verifique a divisão de tamanhos utilizado pelo fabricante. Tamanhos menores que 53 centímetros então em categorias infantis que tem sua própria divisão.

De qualquer forma, é importante selecionar capacetes com regulagem na parte de trás do crânio, que permitem um ajuste fino para evitar o deslocamento lateral da peça e garantir firmeza. As tiras laterais que prendem embaixo do queixo vêm em todos os modelos, e para quem pretende pedalar bastante e suar é aconselhável escolher um tecido mais maleável, que evita irritação na pele.
Alguns modelos vêm ainda com uma espuma interna para ajuste e conforto. Se for possível, escolha capacetes com a espuma lavável. E por mais óbvio que pareça, nunca é demais ressaltar: capacetes trincados perdem a utilidade e não garantem a segurança do ciclista. Por isso, fique sempre de olho no seu e troque assim que perceber um problema.

bike, ciclismo, cicloturismo, cycle, Dicas de Pedal, hoteis, Julio Andó, Lifestyle, pedal, turismo, viagens,

Cicloturismo: prepare sua bike de acordo com a rota

Para os amantes do pedal em duas rodas, a palavra “viajar” tem um sentido a mais. Além do Natal junto à família, de reunir amigos para o Carnaval ou fazer um mochilão em outro continente, viajar também quer dizer percorrer quilômetros e mais quilômetros de bicicleta.

Não importa se por apenas algumas horas ou durante dias e semanas. Quem ama o ciclismo como hobby ou esporte vê as férias e os feriados como oportunidades de usar as próprias pernas e a bike para conhecer lugares, pessoas, culturas e paisagens. Não é à toa que o cicloturismo vem crescendo entre os brasileiros, assim como as opções de rotas nacionais e internacionais voltadas para este segmento.
Mas apesar de a atividade remeter à liberdade, ela também exige muito planejamento e preparo. Não apenas o trajeto deve ser estudado e avaliado de acordo com a aptidão física dos interessados, mas a escolha da bicicleta e de seus acessórios também é fundamental para o sucesso da aventura. Quanto mais acertado for o modelo para o tipo de roteiro escolhido, menor a chance de problemas e preocupações na jornada.

Cicloturismo em praias e trilhas

Se o trajeto passa a maior parte do tempo pela areia e visa conhecer belas praias e paisagens naturais, então se prepare para um terreno majoritariamente plano. O modelo de bicicleta sem marchas é a escolha predileta dos moradores do litoral e atende perfeitamente às necessidades de passeios curtos voltados para entretenimento e lazer.

Já para os amantes da adrenalina, que gostam de percorrer trilhas, o modelo ideal é a mountain bike. Mas antes de adquirir uma, é importante pesquisar e informar-se quanto ao modelo para não se enganar pelo nome e pela aparência, pois o que faz de uma mountain bike ideal para trilhas é a sua composição, e não o design.

Atualmente existem modelos que aparentam ser off-road, mas na verdade aguentam somente trilhas suaves de terra e sem obstáculos. Para ciclistas que planejam encarar trilhas mais radicais, com pedras, valetas, barro e obstáculos, este modelo simples não é suficiente.

Uma verdadeira bicicleta de trilha deve ter pelo menos 21 marchas e a suspensão deve ser resistente para aguentar e amortecer impactos. Os pneus devem ser de cravos, que tem aqueles sulcos mais profundos e são perfeitos para agarrar na terra. Recomenda-se ainda levar uma câmara de ar reserva, caso fure o pneu, bem como uma bomba para enchê-lo. Além disso, é indispensável um bom capacete, luvas e óculos de proteção.

Amantes do asfalto

O ciclismo em estrada demanda outra configuração, e neste caso há duas opções. Alguns modelos de bicicleta para estrada priorizam performance e são voltados para atletas amadores e profissionais que tem na própria estrada o seu objetivo de treino. Mas há também os modelos que visam conforto, para ciclistas que veem a estrada como um meio para levá-los de um lugar para outro.

A bicicleta ideal para ciclistas de performance é mais agressiva, deixa o corpo em uma posição aerodinâmica e utiliza materiais leves que reduzem o peso do equipamento (como a fibra de carbono e o alumínio). Os pneus são finos e adaptados para velocidade.

Já as estradeiras para longas distâncias são mais confortáveis e menos agressivas, com foco na durabilidade e na resistência. Quanto mais longa for a distância planejada, mais prática deve ser a composição deste modelo.

Afinal, pode ser que alguma peça apresente problema em regiões remotas e o ciclista tenha que concertar ou buscar nova peça nas lojas mais próximas. Por isso, a manutenção deve ser fácil e é importante priorizar peças mais comuns e não tão específicas, como freio V-brake. Outros acessórios também são recomendados, como espelho retrovisor, firma pés, campainha e selim largo e macio.

E não importa qual for o destino: lembre-se se de levar sempre muita água para hidratar-se, alguns lanches e um documento com identificação. Aproveite a aventura!

CicloAtivismo, Lifestyle, Sem categoria, Tendência,

Você sabe o que é Cycle Chic

Cycle Chic é um movimento que defende ser possível pedalar com estilo, sem precisar ser um atleta ou encarar a atividade como uma prática esportiva. A ideia é aposentar as roupas fitness e adotar o uso de roupas comuns, usadas nos seus compromissos diários.

A facilidade do Cycle Chic acaba agradando muita gente: tanto quem antes deixava de pedalar porque não gostava das roupas esportivas, quanto quem não podia chegar ao trabalho vestindo roupas de ginástica ou achava complicado ter que levar uma roupa para trocar ao chegar no compromisso. Com isso, a ideia foi se espalhando pelo mundo, inclusive no Brasil.

O objetivo por trás desse movimento que começou há alguns anos na Europa é fazer com que o ciclismo seja visto como um meio de transporte comum nas cidades, e não apenas como um hobby ou um esporte. Quem adota esse estilo de se locomover pela cidade, mesmo nos grandes centros urbanos, acaba sendo mais comprometido com outros ideais, como qualidade de vida e sustentabilidade.

Uma das características do movimento Cycle Chic é exatamente a busca dessa relação mais próxima com a cidade. É uma forma pacífica de reivindicar a presença de mais bicicletas nas ruas, por isso é considerado uma forma de cicloativismo.


Estilo até no meio de transporte

Quem gosta desse conceito e usa a bicicleta para se locomover também costuma gostar de customizar sua bike. Muitos escolhem modelos mais antigos e há até espaço para acessórios específicos, como cestas, bolsas e luvas para incrementar a magrela. Existem, inclusive, lojas voltadas para suprir esse mercado e profissionais especializados na customização de bicicletas. É uma forma de mostrar a sua personalidade através do seu meio de locomoção e também de adaptá-lo às suas necessidades.

Além disso, essas bicicletas personalizadas acabam trazendo mais segurança para o seu dono, já que o fato de serem muito diferentes acaba inibindo possíveis roubos. Isso acontece pois é bastante fácil identificar bicicletas tão diferentes e pessoais.

Como surgiu

O movimento Cycle Chic surgiu em 2006, em Copenhagen, na Dinamarca, quando o fotógrafo, cicloativista e cineasta Mikael Colville-Andersen criou um blog chamado Copenhagen Cycle Chic para publicar fotos de ciclistas cheios de estilo da cidade. No ano seguinte, a ideia começou a se espalhar e ficou conhecida mundialmente.

De acordo com o fotógrafo, o Cycle Chic não é uma ideia nova, o movimento busca apenas resgatar o hábito de usar roupas normais para pedalar, como acontecia desde o surgimento da bicicleta.

A Dinamarca é conhecida pela incorporação dos ciclistas no seu cotidiano – mais da metade da população do país usa a bicicleta como meio de transporte. Segundo Mikael, a ideia é que tudo o que você precisa para pedalar é ter uma bicicleta, é perfeitamente possível pedalar usando suas roupas comuns do dia a dia. Para ele, quem usa a bicicleta para corridas e outros fins esportivos vai precisar de acessórios e roupas adequados, mas para quem quer usá-la como meio de transporte para os seus compromissos diários, basta abrir o armário.

Lifestyle,

Redescobrindo a Bicicleta aos 80 anos

Andrea Learned é Escritora e Consultora Independente de Negócios, com um histórico de 30 anos pedalando e vivendo em lugares como Portland – Oregon, Burlington – Vermont, e atualmente em Seattle – Washington. Fã ávida da Nutcase, ela entrou em contato conosco para compartilhar a história inspiradora de seu pai que voltou a pedalar aos 80 anos. O artigo abaixo conta o que inspirou ele a voltar a pedalar…

Voltando a Pedalar aos 80 anos

Tenho uma vaga lembrança de ver meu pai indo trabalhar de bicicleta em um dia de primavera em Michigan, no início dos anos 70. Também me lembro que isso não durou muito tempo. Assim como muitas pessoas que tem consciência dos benefícios que pedalar oferece, a vida segue em frente e muitas vezes não permite a pessoa a persuadir este caminho.

40 anos mais tarde, como de costume, passamos uma semana reunidos em uma casa no Lago Michigan durante o verão. Após ver seus filhos (todos agora com mais de 50 anos) e netos saindo para se divertir em bicicletas de aluguel, meu pai se motivou a voltar a pedalar.

Então, na viagem de 3 horas de volta para a casa em 2015, ele parou em uma loja de bike e comprou sua primeira bicicleta após décadas. Claro que meu pai ficou surpreendido com todo o conforto e tecnologia das bicicletas hoje em dia. Quem diria?!

Nunca é Tarde Demais

Meu pai sempre foi bem ativo, e consciente da sua forma física, mas ficou bem mais atento à sua saúde após receber o diagnóstico de diabetes tipo 2. A partir de então, os exercícios físicos tinham um propósito. Levantar pesos e fazer alongamentos em casa era uma coisa, mas fazer atividades ao ar livre em um lindo dia de primavera era algo totalmente diferente.

Segue o que ele me contou:

Ficar sentado em uma bicicleta ergométrica na academia é muito entediante em comparação a pedalar pelas ruas de Ann Arbor, quando o tempo está bom. Estou vendo minha comunidade com novos olhos e tendo ótimas conversas com as pessoas quando paro para descansar. Estou definitivamente relembrando o tempo em que era criança e saia pedalando, mas provavelmente hoje consigo tirar mais proveito disso.

Segurança em Primeiro lugar

A outra parte da história é que meu pai é profissional da área de medicina. Teve uma longa e plena carreira como médico, sendo os últimos 20 anos como parte do corpo docente da Universidade de Medicina de Michigan. Este fato é importante porque nós, seus filhos (4 no total) ouvíamos um sermão sobre segurança sempre que iniciávamos um esporte ou uma atividade nova. Tanto que, costumávamos ficar entediados a cada sermão (imaginávamos se todos os pais eram desse jeito?!)

Eu e meus irmão sobrevivemos a infância sem sofrer lesões graças as lições sobre segurança que ele nos ensinou. E sem contar que, para um senhor que cuidou de várias vítimas de acidente de bicicleta e moto, a segurança era sua principal preocupação.

Nas palavras dele:

Quando eu trabalhava no pronto socorro, costumávamos chamar os acidentados de bicicleta e motocicleta de “Ciclo Doadores”, pois era frustrante ver que muitos desses traumas na cabeça poderiam ter sido evitados caso estivessem usando a devida proteção. Então com base nisso, é claro que eu tinha que me certificar que meus filhos tivessem o hábito de usar capacete! E agora, como eu me considero um “senhor ciclista”, qualquer queda pode se tornar em algo muito mais sério. O capacete adiciona uma importante camada de proteção, então estou satisfeito que a tecnologia está sempre melhorando e os diversos estilos de capacete disponíveis hoje torna isso ainda mais agradável.
Exercícios, Liberdade e Diversão

Se você está lendo este artigo, significa que já pertence ao “coro” dos que gostam de pedalar. Porém, talvez você ainda não se deu conta da diferença que pode fazer ao incentivar um membro da sua família com mais idade a experimentar. Ver meu pai com muito mais disposição para exercícios em geral, e ver a total mudança de perspectiva dele sobre sua comunidade em Michigan, tem sido mágico. Seu entendimento sobre novas tecnologias também melhorou. Assim como qualquer pessoa fitness que usa diversos aplicativos, meu pai adora me atualizar sobre seus quilômetros percorridos através de mensagens de texto.

Por fim, de acordo com minha perspectiva, o fato dele pedalar significa que agora temos mais opções de diversões quando meus pais vêm me visitar em Seattle (golfe é a atividade preferida da minha mãe). No último verão, pedalamos um razoável percurso na trilha Burke Gilman. Após o passeio e um ótimo bate papo, encontramos com minha mãe em um bistrô ao lado da trilha para um agradável almoço de domingo. Nada se compara a isso.

Postado originalmente em: https://nutcasehelmets.com/blogs/news/rediscovering-biking-in-your-80s (em inglês).